Contexto histórico

Contexto histórico
21/05/2023 Jorge

Até o século XIX as ideias de superioridade racial justificavam a escravidão e buscavam maneiras de aliviar a culpa dos executores do macabro plano.

Mas isso não é novo no mundo, os romanos construíram o mais influente império da história moderna com escravos e nem foram os primeiros em utilizar essa mão de obra, que era comum na China muito antes.

E assim nasceu o Brasil, do espólio e da violência. País antropofágico por autonomia, povo que se autoconsume e se destrói com um sorriso no rosto.

Qual exemplo mais claro desse desastre que a árvore que dá nome ao país, o Pau Brasil, madeira nobre de cor avermelhada e qualidade única, extinta a séculos, como tantas outras coisas apagadas da memória desse país. Como as baleias, que com o seu óleo, iluminavam as noites do Rio e desapareceram em poucos anos deixando poucos vestígios na cidade maravilhosa.

No final do século XIX, o país se adaptava lentamente aos novos tempos. A Revolução Industrial demoraria décadas em timidamente acontecer no Brasil, já que o setor industrial não contava com a simpatia do Império, e recebeu poucos incentivos. Os principais investimentos da monarquia estavam colocados no tráfico de escravos, que era um negócio muito rentável. A maioria dos reis europeus investiram em expedições negreiras, assim como a igreja com a bênção do Papa, na figura de bispos e padres também investiu e apoiou o tráfico de escravos entre a África e a América.

Calcula-se que entre 10 e 15 milhões de africanos foram levados à força das suas casas para serem mão de obra escrava no Novo Mundo e na Europa.

O Brasil foi o último país em abolir a escravidão, em 1888, mas nunca abandonou certas costumes dessa época. Oficialmente a abolição foi um «presente» da família real aos escravizados. Mas a verdade é que muitos negros foram protagonistas e agentes ativos no processo de mudança social que significou abolir a escravidão. E muitos conseguiram destaque nessa luta antes de 1888, durante e depois.

O período posterior ao final da escravidão foi muito agitado e com muitas mudanças.

O final da monarquia, república, estado novo, todo em pouco tempo e de alguma maneira o A Alvorada conta parte dessa história nas suas páginas.